Friday, June 03, 2011

Desde as nove

Meia-noite e meia. Passou rápido a hora
desde as nove quando acendi o candeeiro
e me assentei aqui. Permanecia sem ler
e sem falar. Com quem falar,
completamente só nesta casa?
As palavras surgem outra vez sobre o branco sem fim. Esse 'Pacto' recomeça lembrando a poesia e o tempo. Palavras e imagens, naves perdidas na imensidão do azul, conduzem para um distante lugar.
O poema de Kostantino Kaváfis